Entrevista com Frederico Braida – Coordenador de GT do CAEduca 2021

O entrevistado desta vez é Frederico Braida

Frederico Braida é Graduado em Arquitetura e Urbanismo (UFJF, 2005). Especialista em Moda, Cultura de Moda e Arte (UFJF, 2015). Especialista em Docência no Ensino Superior e Especialista em Tecnologias e Educação a Distância (FESL, 2019; 2020). Mestre em Urbanismo (UFRJ, 2008). Mestre, Doutor e Pós-doutor em Design (PUC-Rio, 2007; 2012; 2015). Pós-doutor em Matemática (UTFPR, 2021). Professor Associado do Departamento de Projeto, Representação e Tecnologia, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade Federal de Juiz de Fora. Professor Permanente dos Programas de Pós-Graduação em Ambiente Construído (PROAC/UFJF), em Comunicação (PPGCOM/UFJF) e em Gestão e Avaliação da Educação Pública (PPGP/UFJF). Líder do Laboratório de Estudos das Linguagens e Expressões da Arquitetura, Urbanismo e Design (LEAUD/UFJF/CNPq). Vice-coordenador do Curso de Arquitetura e Urbanismo (UFJF).

É autor e coautor de vários livros, dentre os quais, destacam-se: “Por que design é linguagem?”, “Tríades do design: um olhar semiótico sobre a forma, o significado e a função”, “Manifestações da linguagem híbrida no design contemporâneo: fundamentos e aplicações”. É um dos organizadores do livro “101 conceitos de arquitetura e urbanismo na era digital”. É membro da Sociedade Ibero-americana de Gráfica Digital (SIGraDi) e é um dos chairs do Congresso Internacional da SIGraDi 2021. É editor-chefe do periódico científico Pesquisa e Debate em Educação. Recebeu a Menção Honrosa do Prêmio Capes de Tese – 2013, pela área de Arquitetura, Urbanismo e Design. É também Coordenador do GT Educação Inclusiva e Políticas Públicas do CAEduca 2021.

1) Você foi selecionado para coordenar um dos Grupos de Trabalho do CAEduca. Nos conte um pouco como foi a sua trajetória acadêmica até esta seleção.

Eu sempre me interessei muito pelo campo da Educação. Na realidade, sou de uma família de professoras, professores, de educadoras e educadores. Portanto, a partir dos exemplos que tive na minha família, eu construí uma trajetória acadêmica já formatada para ser professor de nível superior, sempre articulando ensino, pesquisa e extensão, sempre participando de muitos eventos científicos e publicando meus trabalhos.

Após a conclusão da graduação, ingressei no mestrado, que foi seguido pelo doutorado e pelo pós-doutorado. Ao final do mestrado, iniciei minha atuação profissional na carreira acadêmica, como professor e pesquisador.

Hoje em dia, sou professor da UFJF e, além de atuar na graduação e em outros dois programas de Pós-graduação, sou professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Gestão e Avaliação da Educação Pública. Um dos meus escopos de interesse e pesquisa incluem a acessibilidade, a educação e comunicação inclusivas e o design universal. Portanto, é a partir dessa perspectiva que trago minha contribuição como coordenador do GT 4 do CAEduca 2021. Precisamos falar mais sobre políticas públicas e educação inclusiva!

2) O que mais lhe chamou atenção no CAEduca?

O CAEduca é uma oportunidade de apresentação de pesquisas e de projetos em andamento e em conclusão, reunindo uma diversidade bastante grande de professores, alunos, pesquisadores e profissionais. Assim, um dos principais destaques é a possibilidade do estabelecimento de redes de contato (network), tão importante para os mundos profissional e científico. Além disso, o CAEduca se trata de um espaço democrático de apresentação dos resultados dos estudos em educação, com a grande vantagem de publicação em livros que fazem com que nossos estudos possam ganhar mais projeção ao longo do tempo.

3) A temática do seu GT é fundamental para pensar a educação de maneira interdisciplinar. O que você concebe como principal desafio da temática?

Um dos principais desafios da sociedade contemporânea é reconhecer, aceitar e valorizar a diferença, buscando promover a inclusão e o respeito ao próximo. Se olharmos para trás, perceberemos que já temos avançado em direção a uma sociedade mais justa e respeitosa, no entanto, ainda há muito por fazer. No âmbito da educação, o tema da inclusão e da acessibilidade ainda carece de muita atenção. Um dos desafios da educação inclusiva no Brasil, em especial, é o estabelecimento de políticas públicas que sejam encampadas tanto pelo setor privado quanto pelo próprio setor público.

4) Bom, outros pessoas vão se espelhar em você para participarem das próximas iniciativas do CAEduca. Que dica final você daria para que possam produzir textos de qualidade e inovadores

A produção de textos de qualidade e inovadores é fruto de um processo de desenvolvimento de um projeto e/ou uma pesquisa que tenha qualidade e que possua um caráter inovador. Portanto, o principal é focar no desenvolvimento de uma pesquisa ou de um projeto com dedicação e qualidade, zelando pelo comprometimento ético e acadêmico. Assim, certamente, seus textos despertarão o interesse das outras pessoas e traduzirão a qualidade de todo o processo envolvido. Deve-se lembrar que os textos acadêmicos são relatos de pesquisas ou de projetos, portanto, um desenvolvimento primoroso de uma pesquisa ou de um projeto é o ingrediente principal para uma receita de um texto de sucesso.

Gostou da entrevista? Não esqueça de comentar e compartilhar.

Para mais informações sobre o CAEduca e se cadastrar para novidades, visite o site www.caeduca.com

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *